Minhas resinas são muito antigas. O que fazer?

Minhas resinas são muito antigas. O que fazer? | Drª Vanessa Silveira

As resinas dentárias são polímeros que escurecem e/ou amarelam com o passar do tempo. Com isso, a abrasão provoca atrito contra alimentos e acaba que as cerdas das escovas dentais também danificam a superfície, deixando as resinas ásperas e contribuindo para a própria degradação.

Além disso, o ph de determinados alimentos como refrigerantes, iogurtes e bebidas cítricas, por exemplo, também danificam essa superfície, favorecendo o desgaste da resina. Quando isso acontece, o que deve ser feito? Devo trocar as restaurações obsoletas por outras mais modernas com resinas compostas? Na postagem de hoje vamos explicar a importância de estar atento a esses procedimentos necessários.

Devo optar pela substituição ou pelo reparo?
A resina, com o passar do tempo, adquire manchas, pode quebrar ou fraturar apenas uma parte – essas situações são muito comuns. O benefício é que quando isso acontece, a restauração fraturada ou quebrada pode ser reparada em apenas uma consulta e nem sempre é preciso substituí-la. Ainda assim, é preciso estar ciente de que a restaurações da resina antiga ou substituição por novas podem não funcionar. O bom resultado desse procedimento depende, da qualidade dos materiais utilizados e, essencialmente, pela substituição.

Além disso, as resinas modernas e mais sofisticadas possuem qualidades de resistência e estética incrivelmente sensíveis e mais fortes se comparadas às resinas mais simples. Os materiais utilizados para o acabamento e polimento também colabora para um resultado estético e na resistência ao amarelamento, reduzindo a possibilidade de manchas sobre as restaurações.

Evite economia com reparos – opte pela melhor alternativa estética
Reparos e restaurações são muito eficientes para fraturas pouco extensas da resina. Isso porque a resistência do procedimento é baixa em relação à troca de todo o corpo de resina existente. Também, com o tempo, é possível observar a linha de união entre as duas camadas de resina presente na restauração. Entretanto, quando o dente vai sofrendo vários remendos e restaurações com o tempo, combinando resinas com cores e qualidades diferentes, a situação é ainda pior, pois ficam tortos e desalinhados. São os chamados dentes frankensteins. Esse tipo de procedimento “econômico” é mais comum do que se imagina.

A prevenção e manutenção fornece cor e brilho das restaurações em resina
Para dar durabilidade, manter a cor e o brilho , trocar a resina pode ser fundamental. Tudo isso vai depender, claro, da qualidade do trabalho e do material utilizado no processo de restauração. Ao realizar o procedimento, outros cuidados para a manutenção são fundamentais: evitar alimentos com alto poder de pigmentação e formação de manchas são fatores potenciais de alta durabilidade das resinas. Além disso, evitar o consumo excessivo desses alimentos contribuirá para a manutenção estética dos dentes. Um cuidado especial é com as cerdas das escovas também é importante, pois se forem muito duras vão riscar a superfície das restaurações.

Agora que você sabe o que fazer, agende uma consulta para avaliarmos o estado das suas resinas! Invista em procedimentos de maior qualidade para maior durabilidade.

  • 13 de janeiro de 2020

Deixe uma resposta 0 comentários

Deixe uma resposta:







WhatsApp